CATEGORIA: Visão de Futuro

Plano de desenvolvimento sustentável Paracatu projeta seu crescimento até 2030

Cidade mineira pretende crescer com sustentabilidade social e ambiental, gestão democrática e redução da desigualdade

Paracatu se prepara para crescer de maneira segura e permanente com o Paracatu 2030 – Plano de Desenvolvimento Sustentável de Paracatu. Montado em construção coletiva, junto a representantes do poder público, do empresariado e da sociedade civil, sua missão é “desenvolver o município, ampliando a qualidade de vida dos cidadãos e preservando o meio ambiente natural e cultural”, segundo o próprio documento. A proposta contou também com apoio da Agência de Desenvolvimento Sustentável de Paracatu (ADESP), da Fundação João Pinheiro, do Sebrae Minas, da Kinross Paracatu e da Votorantim Metais.

O plano Paracatu 2030 possui três princípios fundamentais: sustentabilidade social e ambiental, gestão democrática e participativa e redução das desigualdades regionais e da pobreza. Lançado em 2010, para estruturar o desenvolvimento da cidade por 20 anos, com atuação nas esferas social, ambiental, econômica e institucional do município. O objetivo é que, em 2030, Paracatu seja uma cidade melhor para se viver, com mais qualidade na educação, saúde, segurança e lazer para todos. O plano também direciona os esforços da prefeitura para criar empregos, melhorar a qualidade do ar, preservar rios e mata nativa e estimular o crescimento econômico com baixo impacto ambiental.

Para escrever o Plano, o Comitê-Gestor integrou à análise de dados, bibliografia técnica e científica sobre desenvolvimento local, entrevistas qualificadas e trabalho de campo. Além da pesquisa, foram realizadas 13 oficinas participativas, sendo seis na área urbana e sete na zona rural, e dois fóruns para validação pública dos diagnósticos e das proposições, com participação de 300 pessoas em cada um deles. As ações e metas planejadas buscam resultados de curto, médio e longo prazo, estabelecendo bases para definir prioridades e orientar tomada de decisões do poder público nos próximos anos. Espera-se que, ao final do período, Paracatu tenha construído um futuro melhor para todos seus cidadãos e continue crescendo, com respeito à natureza e à cultura local. E a sua cidade, possui uma visão de futuro? Articule-se e ajude a construir um futuro melhor!

Cidade mineira supera desafios econômicos com união de lideranças locais

Em Pirapora, programa cria rede de articulação do setor empresarial para repensar oportunidades econômicas na região

Pirapora, município que fica a 349 km de Belo Horizonte, é famoso por ser o 2º maior polo industrial do norte de Minas Gerais. No entanto, nos últimos anos a economia desacelerou, ampliando a taxa de desemprego na região. Buscando alternativas para repensar as potencialidades locais e mudar esse quadro, um grupo de lideranças se organizou para pensar uma estratégia.

A articulação local foi fortalecida após a participação no programa LIDER – Liderança para o Desenvolvimento Regional, do Sebrae Minas, que busca criar uma governança para implementação de uma agenda de desenvolvimento a longo prazo. Com isso, os participantes perceberam a necessidade de fortalecer o grupo localmente para criar uma convergência entre as ações de abrangência regional com as ações da cidade, tendo sempre como foco a construção de uma estratégia conjunta e com vistas para a transformação econômica sustentável a longo prazo.

Os principais aspectos abordados logo de início foram a busca de convergência de propósitos e o fortalecimento do relacionamento entre as entidades representativas. Nesse sentido, foi discutida uma proposta comum das iniciativas da Associação Comercial – ACIAPI, da Agência para o Desenvolvimento de Pirapora – ADESP e do Programa LIDER. Para direcionar o trabalho, foi criado um planejamento estratégico da cidade de Pirapora, no qual cada instituição possui um papel estratégico de acordo com as competências e pontos fortes de cada uma delas, como na articulação política, no caso do Programa LIDER, nos estudos econômicos e atendimento ao empresariado pela ADESP e em consultorias e convênios pela ACIAPI.

De acordo com Wanderson Rodrigues, Analista Técnico do SEBRAE da Regional Norte, a aproximação entre as entidades e o debate em torno de um objetivo comum gerou um ambiente frutífero, com o levantamento de oportunidades locais que não estavam sendo analisadas com a atenção necessária. Como exemplo foi citado o turismo que, em virtude o rio São Francisco, confere à localidade uma potencialidade de agregação econômica.

Outro fator importante foi a interação entre os empresários para discutirem assuntos relacionados ao desenvolvimento do mercado.  “Discutimos assuntos em prol do desenvolvimento local e regional, não apenas da cidade. É preciso focar nas riquezas que a gente tem”, afirma Flávia Ribeiro, presidente da Associação Comercial.

Projetos como esse podem transformar a economia de uma cidade e trazer benefícios não apenas para pequenos grupos, mas para toda a população. Esse formato dá espaço para que surjam soluções mais eficientes, pensadas de forma colaborativa. Que tal começar uma ação parecida na sua cidade? Reúna as lideranças locais, conheça, planeje e transforme sua cidade!

 

Concurso busca as melhores ideias para transformar Jundiaí

Moradores enviaram propostas do que seria “a cidade dos sonhos”

Cidadãos de Jundiaí, São Paulo, puderam enviar ideias e propostas para transformar sua cidade em um lugar melhor para se viver. O concurso Cidadonos está sendo realizado pelo Movimento Voto Consciente Jundiaí, criado para incentivar a cidadania e fortalecer canais e espaços de participação popular em políticas públicas da cidade.

small_1848---Voto-Consciente---Logo-GIF

O concurso acontece em cinco fases: na primeira, os participantes trazem bons exemplos que estão em prática em outros locais, ou reflexões sobre questões que poderiam inspirar soluções para Jundiaí. Na segunda fase, cada participante cria uma ou mais propostas, podendo receber contribuições de outras pessoas para melhorar a sua ideia. Na terceira, fase que está ocorrendo atualmente, as propostas são votadas para que as melhores sejam escolhidas. Na quarta fase, as propostas que forem parecidas ou tiverem relação entre si podem se juntar, somando forças. E, por fim, serão anunciadas as ideias vencedoras!

Workshop-de-Comunicaçãod

Em 2016, ano de eleições, todos os candidatos à Prefeitura serão sabatinados para registrar o compromisso de implantar as propostas vencedoras do Cidadonos. Todos que têm residência em Jundiaí podem participar apontando ideias, colaborando com propostas de outras pessoas e votando nas que achem mais importantes. O Cidadonos tem apoio do Instituto Cidade Democrática, que disponibiliza sua ferramenta colaborativa para envio de ideias e toda a estrutura técnica. O concurso também tem parceria com “io! Comunica”, “Rede Social Jundiaí” e “In-Pulsa”.

Como você exerce sua cidadania? Inspire-se, articule-se e melhore sua cidade!

Descubra como Barcelona se reinventou a partir de plano estratégico

Como os Jogos Olímpicos mudaram a cara e a reputação da cidade espanhola

O ano de 1992 foi um ponto de virada para Barcelona. A cidade espanhola, que sediaria os Jogos Olímpicos, formulou um amplo plano de ação para desenvolver a infraestrutura necessária para a competição. A transformação não se restringiu a estádios e ginásios esportivos. Foi preparado um planejamento estratégico, envolvendo diversos pontos, para tornar a cidade referência em turismo e negócios na Europa. Uma equipe multidisciplinar de 500 pessoas, entre gestores culturais, arquitetos, agentes públicos e representantes de instituições econômicas, foi envolvida na elaboração do projeto.

Na pauta, as prioridades eram melhorar a gestão urbana nos bairros, praças e ruas; ampliar o transporte público e as infraestruturas de mobilidade urbana; recuperar a orla marítima; aumentar a capacidade de operação do porto e do aeroporto; e, por fim, atuar na regeneração urbana e ativação econômica de bairros pobres. Para realizar um projeto ambicioso como esse, foram necessários 4 anos de trabalho e investimentos.

8589130422587-barcelona-city-wallpaper-hd

Todas as ações visavam à melhoria da qualidade de vida da população, incluindo os serviços básicos e as condições de uso dos espaços públicos. Outra meta fundamental era construir uma cultura de inovação e tecnologia, projetando Barcelona em um cenário internacional – o que a tornaria mais tarde um polo de feiras, congressos e turismo.

Quem já teve a oportunidade de visitar a cidade deve saber que o plano deu certo. Além do volume de turistas, Barcelona está entre os principais destinos europeus para negócios e reuniões internacionais. Outro destaque positivo são as conquistas em relação ao transporte e a ocupação das primeiras colocações no ranking de progresso entre as cidades europeias.

 

É possível recuperar uma cidade por meio de um plano estratégico bem estruturado e executado.

Qual a Visão de Futuro para a sua cidade?

Macapá discute Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Capital do Amapá realiza debates para montar estratégia e melhorar rede de transportes

Macapá reuniu representantes da cidade para discutir um plano de expansão e melhorias de sua rede de transportes. A ONG Embarq Brasil, focada em desenvolvimento urbano sustentável, montou um workshop chamado “Do PAC ao Plano de Mobilidade Urbana”. Representantes de secretarias municipais, entidades ligadas ao setor de transportes e gestores públicos alinharam informações sobre atividades e responsabilidades de cada órgão. Na reunião, eles também conheceram as melhores práticas internacionais para construir, junto à população, o melhor caminho para o sucesso dos projetos.

planodemobilidade

“Do PAC ao Plano de Mobilidade Urbana” é coordenado pelos especialistas da Embarq Brasil e implantado em diversas cidades brasileiras como Londrina, Juiz de Fora, Pelotas e Macapá. O objetivo é ajudar as cidades a desenvolverem a mobilidade urbana privilegiando os interesses dos cidadãos. Em Macapá, os participantes debateram a necessidade de ressaltar a geografia única da cidade, banhada pelo rio Amazonas e localizada na Linha do Equador. O interesse em se tornar referência em sustentabilidade e qualidade de vida na região amazônica foi apontado pela maioria.

planodemobilidade

Oito eixos principais foram discutidos no workshop: transporte coletivo; participação popular; sistema viário; pedestres e ciclistas; transporte de carga; espaços públicos; taxis e mototaxis; e veículos privados.

E em sua cidade, como está a discussão sobre mobilidade urbana? Vocês têm acompanhado as tendências e aplicações de soluções tecnológicas?

planodemobilidade

Como a sua cidade vai estar daqui a 15 anos?

Capital do Piauí traça a Agenda 2030 com metas para o futuro da cidade

Apresentar o cenário atual, projetar o que os cidadãos querem para o futuro da cidade e o que pode ser feito para alcançar essas metas. Essa visão de futuro é a proposta da Agenda 2030 de Teresina. As discussões para elaboração do planejamento foram organizadas em oito etapas e abordam temas caros à cidade: educação, saúde, mobilidade urbana, assistência social, esportes e lazer.

cidade

A sociedade civil pôde enviar suas propostas, sonhos, reclamações e preocupações para a prefeitura. Foram organizadas 12 oficinas, na zona urbana e rural, para colher depoimentos que serviram como ponto de partida para a elaboração da Agenda. Também foram ouvidas lideranças comunitárias, dirigentes de ONGs, representantes de sindicatos, agentes financeiros, associações empresariais, profissionais e financeiras, instituições culturais, religiosas e esportivas e organizações rurais e educacionais, além de gestores públicos que dirigem ou influenciam a gestão governamental nos âmbitos municipal, estadual e federal.

cidade

Ao final das consultas, uma equipe técnica analisou documentos, estudos, planos e projetos existentes nos acervos e órgãos públicos, articularam os dados e validaram a Agenda 2030 na III Conferência da Cidade. Foi criado um Comitê Consultivo, responsável por orientar as ações para concretizar o plano de tornar a cidade mais organizada, integrada e forte.

Foi a segunda vez que essa discussão aconteceu na cidade. Em 2002, foi proposta a Agenda 2015. A cada 15 anos, serão mensurados os resultados e discutidas novas propostas para estimular o crescimento da cidade com a participação ativa da sociedade.

 

Mais informações aqui.

Pólo de cimento se reinventa após quebra de indústria

População de Barroso recupera sua economia com desenvolvimento sustentável

Por três décadas, Barroso, no interior de Minas Gerais, se desenvolveu em torno de uma fábrica de cimento. Em seu auge, na década de 60, chegou a empregar mais de 1.500 pessoas. Com a perda de competitividade e a discrepância tecnológica, a fábrica foi perdendo a sua importância – até que foi comprada pelo grupo suíço Holcim, em 1996. Nesse ano, as oportunidades para a população da cidade estavam reduzidas, assim como o estímulo ao desenvolvimento da região. A empresa multinacional, em parceria com o Sebrae e o consultor Edgar von Buettner, impulsionou a criação do Projeto Ortópolis Barroso, com a participação de diversos representantes da sociedade local, incluindo empresas, igrejas, sindicatos, instituições de ensino e de lazer, com o objetivo de mudar esse cenário.

Durante o 1º Encontro Para Construção do Futuro de Barroso foi criada a missão do projeto: possibilitar uma mudança comportamental que resulte na participação de todos os setores da sociedade na construção de uma comunidade responsável, justa, solidária e ética. Com o foco nesse desenvolvimento, foi criada a Associação Ortópolis Barroso para coordenar as ações empreendidas.

O nome do projeto vem do grego: orto (correto) e polis (cidade) e se baseia na concepção de uma cidade baseada nas necessidades das pessoas que moram nela. Desde 2004, a comunidade apresenta bons resultados, especialmente em relação ao crescimento econômico, responsabilidade social e compromisso ambiental. Alguns exemplos são a realização da parceria entre costureiras e artesãs de Barroso e o estilista Ronaldo Fraga e a realização de cursos de capacitação com diferentes focos (saúde, agricultura e planejamento estratégico).

 

 

Visão de Futuro: Rosário do Sul

Rosário do Sul cria guia de desenvolvimento da cidade com visão de 10 anos no futuro

rosa__rio-do-sul-infogra__fico

Sobral, no interior do Ceará, se torna modelo nacional de gestão em educação

Cidade vira o jogo dos números na Educação e se torna referência no país

Infográfico-sobral-

Projeto em São Francisco quer zerar o lixo até 2020

A cidade nos EUA, tem meta de reduzir, reusar, reciclar ou fazer compostagem de 100% do lixo gerado

São Francisco, no estado da Califórnia nos Estados Unidos, tem mais de 800 mil habitantes. O tamanho da cidade, entretanto, não impediu que fosse estabelecida a ambiciosa meta de Zero Lixo (“Zero Waste”) até 2020. O projeto foi lançado pela prefeitura em 1990 e em 2012 a cidade se dispôs de apenas 428.048 toneladas de lixo em lixões ou incinerados, os menores níveis já registrados.

projetolixo projetolixo2 Para alcançar o objetivo, a prefeitura criou fortes políticas de redução de resíduos que envolveram os aspetos legais, administrativos e sociais da reforma. A administração da cidade também se aliou à Recology, companhia de manejo de materiais, para pensar formas de inovar com esse projeto. Além disso, a cidade trabalhou para criar uma cultura de reciclagem e compostagem entre a população.

projetolixo3

A cidade recebeu o prêmio de Administração do Lixo do City Climate Leadership Awards este ano com o projeto. Veja entrevista (em inglês) com Melanie Nutter, diretora do Departamento do Meio Ambiente da cidade de São Francisco. No vídeo, Nutter fala sobre inovação e sustentabilidade na administração do lixo urbano.

Gostou do projeto? Conheça outras ideias inspiradoras: