Barroso, MG tem 1 atitude empreendedora

Pólo de cimento se reinventa após quebra de indústria

População de Barroso recupera sua economia com desenvolvimento sustentável

Por três décadas, Barroso, no interior de Minas Gerais, se desenvolveu em torno de uma fábrica de cimento. Em seu auge, na década de 60, chegou a empregar mais de 1.500 pessoas. Com a perda de competitividade e a discrepância tecnológica, a fábrica foi perdendo a sua importância – até que foi comprada pelo grupo suíço Holcim, em 1996. Nesse ano, as oportunidades para a população da cidade estavam reduzidas, assim como o estímulo ao desenvolvimento da região. A empresa multinacional, em parceria com o Sebrae e o consultor Edgar von Buettner, impulsionou a criação do Projeto Ortópolis Barroso, com a participação de diversos representantes da sociedade local, incluindo empresas, igrejas, sindicatos, instituições de ensino e de lazer, com o objetivo de mudar esse cenário.

Durante o 1º Encontro Para Construção do Futuro de Barroso foi criada a missão do projeto: possibilitar uma mudança comportamental que resulte na participação de todos os setores da sociedade na construção de uma comunidade responsável, justa, solidária e ética. Com o foco nesse desenvolvimento, foi criada a Associação Ortópolis Barroso para coordenar as ações empreendidas.

O nome do projeto vem do grego: orto (correto) e polis (cidade) e se baseia na concepção de uma cidade baseada nas necessidades das pessoas que moram nela. Desde 2004, a comunidade apresenta bons resultados, especialmente em relação ao crescimento econômico, responsabilidade social e compromisso ambiental. Alguns exemplos são a realização da parceria entre costureiras e artesãs de Barroso e o estilista Ronaldo Fraga e a realização de cursos de capacitação com diferentes focos (saúde, agricultura e planejamento estratégico).