Belo Horizonte, MG tem 2 atitudes empreendedoras

Como melhorar o trânsito de uma cidade

Em Belo Horizonte, a salvação pode chegar sobre duas rodas e sem mais atrasos para a cidade

Há quem diga que Belo Horizonte (MG) não é uma cidade propícia para andar de bicicleta. Entre as desculpas, estão as ruas muito movimentadas, o calor constante e as infinitas ladeiras que tomam conta de toda a geografia da cidade. No entanto, existe um movimento antigo, que vem crescendo nos últimos anos e prova justamente o contrário. A bicicleta tem ocupado cada vez mais espaço na vida dos belorizontinos, seja como forma de lazer, meio de transporte e, mais recentemente, como negócio lucrativo.

Você já ouviu falar dos bike boys ou ciclomensageiros? São ciclistas ou bicicleteiros (como alguns gostam de ser chamados) que uniram o útil ao agradável e transformaram um hábito em uma atividade profissional. É o exemplo dos Dizzy Express, uma turma de amigos que costumava se encontrar para pedalar e pensou que seria muito interessante para a cidade – e para eles próprios –  criar um serviço de entrega de encomendas feito de bicicleta. Uma novidade mal explorada em BH até então.

10943753_623468491091490_5993620126734473018_n

O que começou como brincadeira evoluiu para um negócio bem estruturado e horizontal, em que os sócios/amigos realizam todas as funções da empresa, desde o atendimento até a entrega. Foram eles os responsáveis por modernizar a ideia de delivery feito por bicicletas na cidade. Há registros de outras empresas que também fazem uso de ciclomensageiros além dos convencionais motoboys, e até daqueles profissionais que atuam sozinhos como bike boys.

Foram os Dizzy que se organizaram como uma cooperativa atual e congruente com o espírito do tempo. Eles não somente atingiram um público diferente com a comunicação descontraída nas redes sociais como também testaram uma nova estrutura organizacional de empresa, com conceitos como colaboração e os já praticados por todos anteriormente como ocupação da cidade, sustentabilidade e mobilidade urbana.

10394513_623467701091569_2166950001092633205_n

Na cola desta tendência que evolui nas cidades de todo o mundo, mais ciclistas têm pedalado por Belo Horizonte e mais negócios têm surgido. Talvez seja uma unanimidade entre quem pedala e também quem não tem o hábito: bicicletas são um meio de transporte que não faz barulho, não polui e não impacta negativamente a cidade.

Ainda resta alguma dúvida? Veja aqui e se convença de uma vez:

 

Projeto pretende registrar hortas urbanas em Belo Horizonte

A iniciativa, chamada de “Verde Comunitário”, promove a divisão dos alimentos na capital mineira e tem a intensão de mapear todos os cultivos existentes

Você tem um vasinho com hortaliças ou ervas na janela de casa? Se sim, você pode colaborar com o projeto do Verde Comunitário Izabela Hendrix. Agora, se no seu bairro existe uma horta comunitária ou uma empresa que produz alimentos no terraço do prédio, essas iniciativas também podem entrar para o projeto. A intenção é fazer um mapeamento de todo e qualquer cultivo agroecológico espontâneo em espaços urbanos na cidade de Belo Horizonte e região metropolitana. hendrixdest O projeto conta com uma página na internet onde os cidadãos podem marcar e divulgar suas experiências com a agricultura urbana, independente do tamanho do vaso ou horta. Vale até aquele pote minúsculo na janela da sua cozinha onde cresce a cebolinha das receitas do seu dia a dia. No mapa ilustrado é possível dividir os registros em categorias como hortas domésticas, comunitárias, escolares ou institucionais, verticais e suspensas, hidropônicas, comercial ou na janela. hendrixsec   De acordo com a coordenadora do projeto Marina Alvim, o Verde Comunitário se inspirou na constatação de que a agricultura urbana vem ganhando muitos novos adeptos nos últimos anos. “No Brasil essa atividade já é reconhecida pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) como uma das mais importantes para o combate à fome nas cidades”, conta. Além disso, também são ministrados cursos e oficinas gratuitas para multiplicar essas práticas sustentáveis pela cidade. Belo Horizonte abre um sorriso verde e agradece. Quem fez acontecer? A iniciativa é do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix através de um projeto de extensão universitária do curso de Ciências Biológicas. Você também quer transformar sua cidade? Acesse nossa ferramenta Minha Cidade Empreendedora e saiba mais. Imagens: creative commons