Curitiba, P tem 2 atitudes empreendedoras

Há 23 anos Curitiba realiza o Câmbio Verde

Sistema de troca de lixo por alimentos é destaque no combate à fome e consciência ambiental

Curitiba é uma cidade que sempre ganha destaque na mídia por iniciativas que buscam o desenvolvimento da população através de ações que estimulam a consciência e participação pública nas decisões políticas. Desta vez, um programa de troca de lixo orgânico almeja levar o desenvolvimento consciente e sustentável para diferentes setores da sociedade. Conheça o “Câmbio Verde”.

curitibalixopost

O programa teve início em 1991 e se trata de um sistema de troca de alimentos financiado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Funciona assim: o recurso para a compra de alimentos vem da Secretaria que visa promover o escoamento da safra de produtos agrícolas dos pequenos produtores de Curitiba e região metropolitana.

A cada 15 dias, em 100 pontos oficiais de atendimento, a população pode trocar 4kg de lixo reciclável por 1 kg de frutas e verduras da época. O óleo vegetal usado também pode ser trocado, 2 litros de óleo vale 1 kg de alimento fresco.

Além de dar vazão à produção agrícola local, a população adota o hábito de separar o lixo orgânico do inorgânico, o que sensibiliza os cidadãos para a correta destinação dos resíduos domésticos. Isso sem contar que o programa ajuda a reforçar a alimentação de uma camada menos favorecida da sociedade. Uma única ideia que gera resultados positivos tanto em setores econômicos como sociais e ambientais.

curitibalixo2

Este ano, aproximadamente 609 toneladas de alimentos foram trocadas por 2.448 toneladas de resíduos recicláveis e beneficiou uma média de 6.000 pessoas por mês.

imagens: Comunicação Social da PMC

Que tal chamar crianças para tomar decisões políticas?

Em Curitiba, projeto propõe a participação de estudantes do ensino fundamental na revisão do Plano Diretor da cidade.

Plano Diretor é um instrumento da política urbana instituído pela Constituição Federal de 1988 que o define como “instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana”. E no ano de revisão do seu plano diretor, Curitiba inovou ao buscar informações e desejos daqueles que farão parte da população adulta daqui a 10 anos: crianças do ensino fundamental. 00144488

O Projeto Urbanista Mirim  tem como propósito envolver os estudantes da rede municipal  da capital paranaense, bem como seus familiares, na discussão do que eles almejam para a cidade no futuro. Um exercício de cidadania e incentivo à participação pública nas decisões políticas. E o tema do projeto é exatamente “como quero que Curitiba seja nos próximos 10 anos?”.

As crianças são então convidadas a participar de oficinas coordenadas por professores de suas escolas. Estes encontros estão previstos para acontecer em, pelo menos, 36 centros de educação das regionais do município que já colaboravam com o projeto de jornal eletrônico Extra, Extra! O Urbanista Miriam é uma ideia colocada em prática graças à parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e o Instituto de Planejamento e Pesquisa de Curitiba (Ippuc).

A primeira oficina foi lançada em março de 2014 na Escola Municipal Papa João XXIII e contou com 40 estudantes. A boa notícia é que o projeto pode entrar para a grade curricular fixa das escolas da cidade. Uma iniciativa de grande repercussão porque além dos alunos entenderem o que é e como funciona o Plano Diretor, eles são estimulados ao diálogo e ter voz ativa nas decisões para o bem comum da sua comunidade. Um projeto que pode (e vale a pena) ser replicado em qualquer cidade do país, não concorda?